09:47 - 27 de maio de 2024.

Morador do Mancusi luta por aposentadoria: serralh...

Morador do Mancusi luta por aposentadoria: serralheiro vem desde 2017 buscando direto à aposentadoria junto ao INSS

 em Vassouras
O sonho da aposentadoria tranquila nem sempre é realidade para alguns. O desassossego ainda é maior a medida que a idade avança e as forças para o trabalho pesado, diminuem.
Esta triste realidade é constatada pelo serralheiro Murilo Pereira Gorito, 70 anos, morador do bairro Mancusi, que desde 2017 vem lutando para obter a aposentadoria por tempo de serviço. A dificuldade em fazer valer seus direitos, segundo Murilo, está no fato do INSS (Instituto Nacional de Seguro Social), não reconhecer o pagamento de contribuições trabalhistas do período entre 5 de maio de 1969 a 30 de junho de 1980. O órgão federal afirma, de acordo com Murilo, que não foram feitas contribuições referentes a esse período. No entanto, esse mesmo período foi reconhecido pelo Ministério Público Federal, que determina em ação a incorporação das datas ao somatório para aposentadoria por contribuição, computando ao processo mais 11 anos, 9 meses e 7 dias.
Apesar desse parecer da Justiça Federal, o serralheiro continua sem uma decisão sobre o assunto. “Tenho meus diretos que vêm sendo negados há anos, o que é uma grande injustiça porque trabalhei duro para chegar à essa idade com um pouco mais de tranquilidade e uma carga horária de trabalho mais leve”, contou Murilo, afirmando que para sobreviver, trabalha cerca de 9 horas diárias.
E para agravar ainda mais a situação, devido a uma das funções exercidas em trabalho como serralheiro, hoje ele sofre com dores na coluna que, em crise de dor, impedem o idoso de trabalhar e garantir seu sustento. “Moro de aluguel, tenho despesas com medicação, tenho dificuldades para trabalhar e me sinto lesado pelo governo que não me dá o direito de aposentar, sendo que paguei por isso”, concluiu o idoso.
A TRIBUNA DO INTERIOR entrou em contato com o INSS para esclarecer o caso, mas até o fechamento desta edição, a reportagem não obteve resposta.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também