14:40 - 24 de maio de 2024.

Toninho de Freitas, a dor da ausência de mais uma ...

Toninho de Freitas, a dor da ausência de mais uma vida perdida para a Covid-19

 em Saúde

• Coordenador do Ciep, fundador do Surpresa, devoto de Nossa Senhora: um vassourense que marcou época

Nos últimos anos, o músico dedicado às missas na Paróquia de Nossa Senhora da Conceição. Por décadas uma referência no samba, um dos maiores compositores da época de ouro dos blocos e escolas de samba de Vassouras. Profissionalmente, o correto e dedicado coordenador de turma do Ciep Padre Salésio, respeitado e querido pelos colegas de trabalho, amado pelos alunos. Quase trinta anos de dedicação a um dos principais colégios públicos da cidade. Na noite da quinta-feira, 13, Vassouras perdeu Toninho de Freitas, 61 anos, mais uma vítima fatal da Covid-19.
Caçula de uma família com quatro irmãs, Antonio de Freitas Júnior herdou do pai o nome e o amor pelo América Football Club. Trabalhou no comércio, foi funcionário da Cooperativa de Andrade Pinto. Há 28 anos era coordenador de turma no Ciep Padre Salésio. Na noite da quinta-feira as redes sociais foram inundadas por declarações de afeto e carinho por parte de profissionais da Educação, alunos e ex-alunos do Ciep. “Família 297 de luto. Perdemos nosso amigo de trabalho Antônio de Freitas Júnior, o Toninho, para o COVID-19. Que neste momento difícil entremos em oração pelos seus familiares pois o Toninho já está com o Pai. Estamos sem palavras neste momento indescritivelmente triste”, diz a postagem no perfil oficial do Ciep em uma rede social. “Um bom amigo! Vai deixar saudades e fazer falta. Gostava muito do CIEP, o mais triste é não podermos despedir. Que Deus tenha misericórdia de todos nós. Ele já está nos braços do Pai”, comentou a professora Gilma Ferreira. Ex-aluna, Beatriz Souza também registrou a sua dor. “Muito triste, o conhecia desde quando entrei no Ciep. Eu tinha uns oito anos. Vai fazer muita falta”.
Professor de Matemática da rede pública estadual, Leonardo Correa destaca a atuação de Toninho como servidor público. “O Toninho foi um baita servidor público. Tratava a todos com educação e muito respeito. A garotada do turno da tarde adorava ele. Vai nos fazer muita falta. A nossa família 297 está de luto”, afirma, referindo-se ao número do Ciep Padre Salésio. Pelas redes sociais, a aluna Malu Laport, do oitavo ano do Ensino Fundamental, fez questão de manifestar o seu carinho. “Ainda não acredito que você se foi, tio Toninho. Você era uma pessoa tão incrível. Vai ser muito ruim chegar na escola e não te encontrar. Descanse em paz e saiba que você foi uma pessoa tão especial na vida de todos do Ciep”. Gilma Maria de Oliveira, a Mita, 64 anos , auxiliar de serviços gerais na escola é outra a lamentar. “É uma perda muito grande. Trabalhamos juntos desde a fundação do Ciep. Um grande amigo”, afirmou. Também auxiliar de serviços gerais, Albertina Soares, a Dininha, 58 anos, é outra a exaltar o antigo companheiro de trabalho. “Um grande amigo, amigo para todas as horas. A gente fica até sem palavras para falar sobre ele. Vai fazer muita falta para todas nós e para o Ciep também”.
O samba vassourense também está de luto. “Toninho de Freitas foi um dos maiores compositores do samba em Vassouras. Defendi muitos sambas dele na avenida, em parceria com o Carlinhos Guizado”, lembra Luiz de Moraes Venâncio, o Espirro, icônico intérprete da Unidos do Madruga.
“É como se eu estivesse perdendo um irmão. São quase 50 anos de amizade. De samba, foram 27 anos de parceria”. Pelas contas de Guizado, nestes 27 anos nada menos que trinta e seis sambas da dupla foram para a avenida. Vale sempre lembrar que, entre o final dos anos 1970 e início dos anos 1990 para virar hino de alguma agremiação, o samba passava por concorridíssimas disputas. “Chegamos a ganhar três sambas em um ano só. Trinta e seis sambas foram para a avenida. Ganhamos no Saramandaia, Fanáticos, Madruga, Amigos da Onça, Colibri. Fomos campeões desfilando pelo Amigos da Onça em 1992 e pelo Saramandaia em 1994”. Toninho de Freitas foi um dos fundadores do Surpresa e do Bloco das Piranhas. “Ele fundou o Surpresa, mas a escola não saia mais. No final dos anos 80 eu o levei pro Madruga. Aí ele não saiu mais de lá”, recorda-se Guizado.
Antonio de Freitas Júnior deixa viúva Zenilda Freitas e uma filha, a fisioterapeuta Amanda Freitas. Nos últimos anos, seu grande xodó foi a neta, Nina, de 9 anos.

“Perdemos o nosso caçula tão esperado”

Isis, Delma, Marcia e Virgínia

Estou muito emocionada. Perdemos o nosso caçula, que foi tão esperado. Depois de quatro meninas (Isis, Delma, Marcia e Virgínia), mamãe realizou o sonho de ter um menino. Ah, as lembranças da infância. Quando mamãe ou Ísis, que é sua madrinha, finalmente conseguia colocá-lo para dormir, passava a Maria Fumaça e ele levantava para dar adeus. Mais tarde, Maria Fumaça foi um samba inesquecível dele e do Carlinhos Guizado.
Devoto de Nossa Senhora, há 23 anos só tocava na Igreja. Todos os dias perguntava ao Espírito Santo: o que vamos fazer juntos hoje? Em uma sessão solene pelo aniversário de Vassouras, se apresentou na Câmara, na época presidida por José Alencar. Tocou e cantou. Convidado no ano seguinte, declinou. Disse que só tocava na Igreja.
Foi agente da Pastoral da Sobriedade, sempre acolhendo com carinho e cantando para os irmãos dependentes químicos. Apaixonado pelo violão, tinha sempre muito cuidado com o instrumento. Nas viagens, o violão não podia tomar sol, entre outros cuidados. Certa vez, rezávamos o Terço da Sobriedade e apareceu um andarilho. Ele rezou conosco e disse que tocava violão. Toninho entregou o violão para ele tocar. Foi surpreendente e emocionante.
(Texto construído a partir de um depoimento da professora Delma de Freitas à TRIBUNA DO INTERIOR)

Comentários

Uma resposta

  1. Grande Toninho! Nos faz uma falta imensa! Sempre tinha um sorriso, muita disposição e uma bela musica pra ajudar a quem precisasse…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também